Festa para seis jovens em Serra Leoa

Com as coisas bonitas, felizmente, você não se acostuma; elas são sempre agradáveis. É assim, pelo menos para nós religiosos que ainda acreditamos em nossa opção, para uma festa de primeiras profissões. E foi isso mais uma vez no dia 18 de julho, em Makeni, com os seis jovens (Paul, Stanley, Paul, Sam, Innocent e John) que terminaram o noviciado e começaram um novo capítulo de suas vidas como confrades josefinos. Ajudados também pela clemência do tempo, que abriu um parêntese de quase sol nestes dias embebidos com a chuva, o dia foi realizado de forma simples, mas ​​imbuído com aquelas sensações agradáveis próprias de encontros entre pessoas amigas, unidas precisamente por uma amizade feita de simpatia sincera, pela fé nos ideais compartilhados e pela satisfação na conclusão de um estágio sonhado da muito tempo. Na cara dos neo-professos que um por um se ajoelharam diante do celebrante para pronunciar os votos pela primeira vez, você pode ver refletida a alegria e reverência para um passo tão importante e exigente.

Mas, não foram dados “abraços” de bem-vindo na família religiosa josefina para os jovens novos membros: esta infecção de Ebola, ainda não completamente erradicada, queria deixar sua marca aqui também. Sabemos que estamos todos limpos, mas… agora estamos acostumados com isso também, de olhar um para o outro e se cumprimentar com uma reverência talvez juntando as mãos [embora Serra Leoa não é o Japão!].

Na mesma celebração o superior da Vice-Província, Padre Luigi Cencin, recebeu a renovação dos votos de dois jovens confrades, Francis e Desmond.

Para festejar com os irmãos recém-professos vieram alguns confrades de outras duas comunidades de Lunsar e Kissy, alguns religiosos e religiosas da cidade, um grupo de jovens membros do grupo vocacional de Lunsar e dois ou três representantes das casas famílias (Murialdo Homes) de Freetown. Oramos juntos, agradecendo ao Senhor por este belo presente, mas também pedindo-lhe força e perseverança para os seis ‘jovens águias’ que tomaram o voo da vida consagrada. Eles estão apenas começando a viagem, mas se é verdade que ‘bem começado é meio caminho andado”… desejamos-lhes continuar a avançar com determinação e confiança; e se eles poderão colocar suas vidas nas mãos de Deus, serão seguramente “em boas mãos”!

 

[BG]

             Makeni16 Makeni15 Makeni14 Makeni13 Makeni12 Makeni11 Makeni10 Makeni9 Makeni8 Makeni7 Makeni6 Makeni5 Makeni4 Makeni3 Makeni2 Makeni1

Três primeiras profissões no México

No domingo, 19 de julho 2015, a Vice-Província EUA-México foi abençoada com três novos confrades. Os noviços Luis Fabián Hernández Esquivel, Iván Hernández Pérez e José Iván Méndez Cruz fizeram sua primeira profissão. Na mesma celebração os confrades Víctor López Reyes e Eladio López Santiz também renovaram seus votos.

O Padre Provincial Roberto Landa, que presidiu a cerimônia emotiva, dirigiu-se aos cinco jovens para motivá-los em seu caminho como membros da família Josefina. Padre Roberto em sua homilia disse que a consagração religiosa é um ato de fé e amor a Deus e uma resposta à sua chamada. A consagração religiosa é um sim a Deus que ele disse, doando toda a vida para sempre. Quem é consagrado a Deus é uma pessoa que descobriu Cristo como alguém que seduz, namora e fascina. Que encontrou em Jesus alguém que inspira confiança total e, acima de tudo, amor infinito, ao qual pode ser respondido consagrando totalmente a Ele nossa pessoa e vida.

Após a celebração eucarística, os confrades compartilharam a mesa com todos os presentes, familiares e amigos, na casa de formação de Tlalpan, na Cidade do México.

 

[RL]

         1prMex5 1prMex4 1prMex3 1prMex2 1prMex1

Suor Cesira Avogaro

( Casa di riposo “Santa Bertilla”, Brendola (VI), 21/07/2015)

E’ mancata Suor CESIRA AVOGARO, sorella del nostro confratello P. Luigi della comunità di Montecchio Maggiore.

 

A primeira “casa dos meninos” dos Josefinos na Índia!

Um sonho, perseguido por um longo tempo, está prestes a se transformar em realidade. Em nossa comunidade em Aranvoyalkuppam a construção da nova “Casa da Esperança” começou no nosso composto e o ecônomo geral, Fr. Juarez, durante a sua recente visita à Índia, abençoou a primeira pedra (veja as fotos). O trabalho de construção vai demorar cerca de oito meses. A partir do próximo ano, em cooperação com as instituições governamentais, nós vamos poder acolher cerca de vinte meninos órfãos ou abandonados. Agradecemos a todos os Josefinos envolvidos na preparação do projeto e todos aqueles que já deram o seu apoio financeiro para esta promissora atividade educacional, esperando que muitos outros se unam.

AK5 AK4

Nas fotos, você também pode ver a comunidade de Aranvoyalkuppam, com os cinco confrades que iniciaram seu curso de teologia, a nova sala de jantar alargada, a capela renovada e o jardim interno.

[MP]

Nfh AK12 AK11 AK10 AK9 AK8 AK7 AK6 AK3 AK2 AK1

Mons. Celmo saúda Papa Francisco

Durante a visita pastoral no Equador, em 8 de julho, o Papa Francisco encontrou o clero, os religiosos, as religiosas e os seminaristas no Santuário Nacional Mariano “El Quinche”. O Bispo Josefino Mons. Celmo Lazzari, Vigário Apostólico de Sucumbios e responsável pela Vida Consagrada da Conferência Episcopal do Equador apresentou as boas-vindas ao Papa. Abaixo o vídeo com seu discurso.

3vcelmo

Bispo Celmo com Mons. Paulo Mietto, Vigário emérito, e Mons. Adelio Pasqualotto, novo Vigário Apostólico de Napo.

[EB]

A ajuda torna-se testemunho

Últimas notícias dos missionários Josefinos em Serra Leoa

MZ 2

A realidade que estamos vivenciando é um pouco estranha, porque, enquanto há o desejo dentro de nós que tudo vai acabar em breve para obter algum solievo, a evidência dos fatos nos diz que ainda não é a hora. De fato, na primeira semana de junho, havia nove novos casos de Ebola e, pior ainda, nos dias 8 a 13 outros quinze novos infectados, e nos dias 14 a 20 sete outros, e alguns deles a poucos quilômetros de nós. Nosso Chiefdom estava sem Ebola por 92 dias e de repente… retornou o medo. O que mais  é desconcertante, é que apenas alguns desses pacientes fizeram parte das pessoas em quarentena. Há temores de que o vírus está mudando. A este respeito, estamos à espera de respostas dos especialistas e centros de pesquisa.

Enquanto isso, nossas operações continuam a ajudar a aliviar as dificuldades dos mais pobres e fracos. Deles mesmos tivemos testemunhos e expressões de gratidão que queremos compartilhar com todos vocês, os nossos apoiadores:

 MZ 1

  “Antes mesmo nós tivemos dificuldades para ter comida todos os dias, mas com a chegada da Ebola a situação se deteriorou ainda mais. Muitas vezes, nós não poderiamos comer por causa da falta de comida e porque ninguém podia se mover. Em seguida, buscamos as ervas ao redor da casa e algunas raizes de mandioca para encher o estômago. O arroz tinha chegado a preços proibitivos e, devido ao bloqueio nos transportes, muitas vezes não foi ainda disponíveis. Durante esse tempo, muitos morreram de fome. Nós perdemos maridos, esposas, mães, pais, irmãos, irmãs, filhos e filhas, e a vida se tornara sem sentido. Se os Josefinos e seus benfeitores não tivesse vindo ao nosso socorro certamente  mais vidas teriam sido perdidas.”

“A intervenção dos padres nos trouxe vida e esperança. Muitos de nós estavam desnutridos ou, melhor, subnutridos. Muitos não morreram de Ebola, mas porque, por não comer o suficiente devido à falta de comida, seus corpos se enfraqueceram tanto para chegar à morte em pouco tempo. Agora, nossos filhos têm a oportunidade de tomar café da manhã com um pouco de farinha de milho e leite e, em seguida, à noite, eles podem comer um prato bom de arroz com ingredientes que são doados. Também contribuímos com o nosso trabalho, de modo que o alimento é mais rico e nutriente.”

“Agora nós nos lavamos com sabão medicado e perfumado e a higiene pessoal tornou-se mais cuidadosa e eficaz para prevenir a doença.”

“Agora, estamos orgulhosos de ter um pequeno de dineiro que nos ajuda a comprar remédios, para resolver os problemas económicos e pagar propinas. Mesmo os nossos rostos mudaram porque nós sorrimos mais e gozando de boa saúde, podemos facilmente criar amizades. Em seguida, ganhar as roupas e sapatos, nos ajuda muito nas relações sociais, porque nós não sentemos mais vergonha de quando nós não tínhamos nenhuma roupa. Nossas aldeias tornaram a viver a partir de quando recebemos essa assistência.”

“Nosso nivel de vida melhorou muito, assim como os resultados escolares, porque de manhã nós não vamos para a escola com o estômago vazio, mas temos café da manhã e ao regressar em casa sempre encontramos o almorzo pronto.”

“Meus pais não são mais esqueléticos, pele e ossos, vestem roupas bonitas e preparam uma boa comida. Agora eles são respeitados por todos, porque eles não têm mais dívidas com outras pessoas” (escrita por uma criança).

“Seu presente também nos permite ajudar alguns amigos com necessidade que não podem ter comida para aquele dia. E assim a vida na aldeia tornou-se mais alegre.”

“Agradecemos a todos os nossos benfeitores para este sinal de grande interesse e carinho. É parte de nossa cultura não esquecer aqueles que REDONARAM a VIDA e a chance de viver com dignidade. Nossa oração diária pra vocês vos acompanhe e vos abençoe.”

MZ 3

A GRATIDÃO também vem dos chefes das aldeias que têm sido capazes de lidar com o pós-Ebola com mais serenidade e com toda a aldeia.

Acreditamos que estas palabras podem nos ajudar a abrir uma grande janela sobre a realidade dessas pessoas que não só sâo gratas, mas não se esqueçam e sabem como demonstrar que o auxílio recebido trouxe para suas vidas. Cada sucesso gera confiança, esperança e certamente amanhã tudo isso vai resultar em um povo capaz de gerir a si mesmos e enfrentar as dificuldades diárias com mais força e motivação. OBRIGADO a TODOS OS BENFEITORES e um enorme obrigado também em nome daqueles que vivem hoje no abraço da solidariedade.

TUDO QUER REINICIAR, RENASCER, REGOZIJAR EM FICAR JUNTOS.

Deus vos abençoe.

A comunidade de Lunsar

MZ 4