31 de Março

“Os confrades, com a castidade, se tornam capazes de fazer-se tudo para todos e de realizar entre eles uma autêntica vida de amizade e de comunhão. O verdadeiro amor fraterno na comunidade ajuda, além disso, a viver com alegria a castidade consagrada e é apoio eficaz nos momentos de dificuldade”.

(Const. 17)

30 de Março

1863: o Collegio Artigianelli de Turim, (I) no edifício de Corso Palestro.

“Que história, meu Deus! É a história das vossas misericórdias e das minhas ingratidões!! Não conheço nenhuma história ou biografia em que apareça melhor a incompreensível gratuidade dos dons de Deus”.

(S. Leonardo Murialdo, Testamento, p. 100-1)

29 de Março

“Por que ele morreu? Não para seu vantagem, não por necessidade, mas por vontade própria, por nós; porque ele tão sofria a nós ver nas chamas do inferno que prefere sofrer ele mesmo, como uma mãe para salvar a criança das chamas tem tão amor que ela mesma lança-se nas chamas”.

(S. Leonardo Murialdo, Escritos VI, p. 144)

28 de Março

É preciso promover uma espiritualidade da comunhão, elevando-a ao nível de princípio educativo em todos os lugares onde se plasma o homem e o cristão, onde se educam os ministros do altar, os consagrados, os agentes pastorais, onde se constroem as famílias e as comunidades”.

(Novo Millenio Ineunte 43)

26 de Março

“Um dia eu fitei a Cruz e pensei finalmente entender toda a extensão do amor de meu Deus; mas quando eu contemplei o Tabernáculo sagrado, onde para mim o mesmo Deus continua a ser um prisioneiro do amor, eu vi que então eu tinha descoberto a perfeição do amor, ou melhor, o excesso do amor de meu Deus”.

(S. Leonardo Murialdo, Escritos VII, p. 437)

24 de Março

1867: San Leonardo Murialdo empeza a Confraria de São José no Collegio Artigianelli de Turim (ITÁLIA).

“Mas é sobretudo pela acolhida verdadeiramente paterna que recebi de Deus que me assemelho ao bem-aventurado filho; quantos dons! quantas carícias! que banquete de festa!”

(S. Leonardo Murialdo, Testamento, p. 130)

23 de Março

“A vida fraterna em comum favorece também a redescoberta da dimensão eclesial da Palavra: acolhê-la, meditá-la, vivê-la juntos, comunicar as experiências que dela florescem e assim avançar numa autêntica espiritualidade de comunhão”.

(Partir de Cristo 24)

21 de Março

“A pessoa que encontra Deus nos eventos mais comuns e mais ordinários, como nos maiores e mais notáveis, não tem apenas uma fé comum, mas uma grande e extraordinária fé, uma fé que transporta as montanhas”.

(Vida de fé, p. 22)

20 de Março

“Ver em nossos confrades como muitos amigos. Ter caridade em nossos pensamentos, palavras, no silêncio, nos relacionamentos e atos de cortesia”.

(S. Leonardo Murialdo, Escritos IV, p. 290)