31 de Janeiro

1949: REQUINOA, (RCH), paroquia “San José”
“Ó Deus, que suscitastes São João Bosco para educador e pai dos adolescentes, fazei que, inflamados da mesma caridade, procuremos a salvação de nossos irmãos e irmãs, colocando-nos inteiramente ao vosso serviço”.

(Da liturgia, oração colecta)

30 de Janeiro

“Se queremos que a nossa Congregação possa durar e propagar-se na Igreja de Deus, é essencial que se mantenha vivo nela, não só o nome, mas ainda assim o espírito de S. José”.

(Il fine, p. 35)

29 de Janeiro

Somos irmãos, e nosso coração se expande no amor mútuo. Longe de nós cada briga, cada assacadilha, cada despeito; longe aquele espírito de dominação e arrogância, em tratar uns aos outros; ninguém tente senhorear; nós somos irmãos, e que a paz possa reinar entre nós, como nas famílias onde é a bênção do Senhor”.

(Spiegazione, p. 140)

28 de Janeiro

Toda a bondade e a ternura dos pais terrenos não é nem mesmo uma sombra daquela que nosso Pai Celestial tem para nos. Considerai, meus irmãos, com que amor nos amou o Pai, para que sejamos chamados filhos de Deus. E nós o somos de fato”.

(S. Leonardo Murialdo, Escritos XI, p. 297)

27 de Janeiro

Deus de bondade e misericórdia, nós vos louvamos e vos bendizemos pela vida e santidade de vosso Servo, o Venerável Padre João Schiavo. Dai-nos, por sua intercessão, a graça de vivermos como ele viveu, na total disposição à vossa vontade”.

(Oração da postulação)

26 de Janeiro

Você me ama com todo vosso ser. Eu amo você com toda minha pessoa. Mas você é infinito e eu sou muito pequeno e muito limitado; mas quem dá o que pode, dá tudo, e você fica contente; portanto, oh meu Deus, eu vos dou tudo por tudo”.

(S. Leonardo Murialdo, Testamento, p. 119)

25 de Janeiro

Aqui está muito bem delineado o nosso dever, aqui é o que São José pede de nós: obedecer sem murmuração, viver em paz entre os confrades, sem disputas e discórdias”.

(Circulares de Pe. Costantino, p. 94)

24 de Janeiro

Teremos a unidade fraterna se basearemos a vida comum na caridade, humildade, respeito e tolerância mútua, abraçando todos aqueles que se gabam do nome de filhos de São José”.

(Circulares de Pe. Costantino, p. 29)