Vita Giuseppina N. 5 – junho 2015

Estamos enviando o quinto número 2015 de “Vita Giuseppina”, cheio de tantas notícias provenientes das obras da  FdM na Itália e no mundo.

BOA LEITURA!

Escreva-nos seus comentários, envie-nos as suas fotos e notícias a ser publicado, mande-nos novos endereços de jovens, colaboradores, amigos e parentes que ainda não recebem Vita Giuseppina.

Siga-nos também no Facebook:

https://www.facebook.com/pages/Vita-Giuseppina-rivista/261233487366641

A Redação de “Vita Giuseppina”

vita.g@murialdo.org

Índia: o novo ano de noviciado começou!

Em 26 de maio, memória de São Felipe Neri, nosso simpático patrono, com um rito simples inserido na celebração eucarística da manhã, presidida por p. Mariolino na capela de nosso “Seminário S. José” de Chembaraky na Índia, cinco jovens começaram oficialmente a sua jornada de um ano de noviciado, com a orientação de seu mestre P. Anuraj.

São eles: ALEN (Alleppey – Kerala), JOSHY e SHEBIN (Kollam – Kerala), NAVEEN (Cuddapah – Andhra Pradesh) e ARUN (Trivandrum – Kerala).

Este é o décimo terceiro grupo de noviços desde a nossa presença na Índia começou (o primeiro noviciado foi no ano 2002-2003) e, portanto, o total de noviços nestes 13 anos subiu para 98, dos quais 56 ainda estão na congregação (professos e noviços).

Desejamos uma viagem frutuosa aos nossos cinco amigos!

 

[MP]

novIndia 5 novIndia 4 novIndia 3 novIndia 2 novIndia 1

Reabraçando a esperança

Nós publicamos um resumo das últimas notícias de nossos missionários em Serra Leoa.

As duas imagens resumem o poder da esperança. No fundo da primeira se vê a nossa escola e em primeiro plano uma flor atraente: estamos no auge da estação seca, muito poucas folhas, nenhuma grama, mas a natureza não teme mesmo secura, quando se atinge o seu tempo ela explode. Na segunda foto os alunos vêm para o pátio e lavam as mãos antes de ir para aulas. Isso também é um sinal de vida, nova esperança que quer reflorescer plenamente nos corações de todos eles.

Hope 1                                                            Hope 2

No dia 14 de Abril as escolas reabriram. A grande estrada que passa em frente de nossas escolas foi enchida com as cores, o resultado do passeio dos estudantes para suas escolas con vários uniformes. Muita conversa, pequenas corridas para ganhar também tempo. Alegria e vida. Foi comovente ver entrar em nossa escola mais de seiscentos alunos, mas, ao mesmo tempo estávamos todos um pouco preocupados… Infelizmente, depois de duas horas a partir do início das aulas, uma criança começou a vomitar na sala de aula. Imediatamente foram tomadas as medidas de precaução e, em seguida, fomos capazes de encontrar sua irmã, que veio para buscá-lo. Você diz, é normal! Por isso, teria sido se a Ebola nunca tinha aparecido. No entanto, a situação está melhorando dia a dia, e alguns alunos chegam tarde pedindo desculpas porque, vivendo em aldeias remotas, não tinham conhecimento da reabertura da escola.

Durante a inscrição dos meninos, quantas histórias que ouvimos, quanta morte passou pelas famílias, quantas dificuldades superadas em desespero, quanta solidão viviam longe de seus entes queridos, quanta incerteza no amanhã! Irmãos e irmãs de todas as idades mortos, pais, mães, avôs, avós, tios e tias, primos… faltam, mas… a família alargada abriu seus braços e, novo amor, novos amigos, novo calor entrou no coração. Nova vida, nova oportunidade para olhar para frente. Que grande coisa é a acolhida! E tudo isso também acontece graças ao seu apoio contínuo.

Nas aldeias, quando vamos para entregar a ajuda, as crianças já não estão tão temerosos e chegam perto sorrindo. Começamos a dar aos órfãos, além de comida, até mesmo roupas, chinelos, sandálias e cadernos (para aqueles que estão em idade escolar). Vendo as roupas todos aplaudiram e passá-los um por um, de mãos em mãos olhando os con desconfiança. Nosso compromisso é reiniciar a esperança para o futuro. Sorrisos estão se multiplicando e se tornam contagiosos, músicas aderam a este hino à vida. Faces estão alegrando-se, embora não todos eles. O alimento por enquanto permanece a necessidade mais importante, mas pouco a pouco sua condição será considerada de uma forma global para que todos possam obter uma ajuda completa. Acrescentamos a ajuda material uma pequena soma para suas necessidades imprevistas que não podemos fornecer. Mais de 800 órfãos estão atendidos, recebidos em 150 famílias. Se fizermos uma média de 10 pessoas por família os assistidos são cerca de 1500 e talvez até mais.

Para o final de maio houve vários novos casos de Ebola e a Organização Mundial da Saúde, juntamente com outras Organizações estão tentando entender sua causa e origem. Talvez os sobreviventes estão espalhando o vírus ou talvez o vírus é mutante. É muito cedo e difícil dar respostas, no entanto os controles são muito rigorosos e as intervenções cada vez mais determinadas e eficientes. Esperamos e oramos para que, mesmo aqui, em breve tempo, podemos dizer “Ebola é terminada.” Nesse meio tempo, porém, temos de continuar a manter as precauções higiênico-sanitárias para não correr nenhum risco.

Vocês lembram o garoto que todas as manhãs sentava na varanda e olhava a árvore em frente a ele, porque “sua mãe tinha morrido lá embaixo?” Bem, não era apenas uma criança, mas um menino de 15 anos que no momento está participando da nossa escola. Na verdade, há duas semanas, uma assistente social nos perguntou se poderíamos aceitá-lo porque ele tinha manifestado o desejo de assistir a Escola Secundária Murialdo. Ele imediatamente se adaptou bem na classe e o sorriso reapareceu no rosto e nós realmente esperamos ser capazes de ajudá-lo da melhor maneira. Felizmente, não foi registrado qualquer caso de Ebola entre os estudantes de várias instituições. Isso também ajuda e incentiva a retomada da vida “normal”.

Hope 3

Você não pode imaginar o impacto que a sua assistência tem na vida das famílias e aldeias. Primeiro, as pessoas estão recuperando a confiança no futuro e já estão trabalhando para retomar plenamente as atividades agrícolas. Todos, desde adultos a mulheres e crianças, estão envolvidos. Tem uma grande vontade de fazer: preparação de terrenos florestais, cortando plantas; cavando o chão e também preparando os campos de arroz, especialmente aqueles que será preenchido em breve com água. Há um real fervor nisto, um sinal de que o desejo de voltar à vida normal é grande. Outro efeito da sua generosidade é saber que quando levamos ajuda aos órfãos e aldeias, não há mais crianças morrendo, de fato todos mostram vivacidade e um bom crescimento físico.

O forte aumento da pobreza é a consequência lógica da impossibilidade de “fazer” causada pelo vírus Ebola. E essa pobreza não é apenas a falta de dinheiro: famílias onde jovens e adultos morreram encontram dificuldade para cultivar a terra, para encontrar alguma ajuda externa; nem todas as crianças são enviadas para a escola porque… eles têm de contribuir para a manutenção dos irmãos mais novos; quando alguém fica doente, é difícil trazer os pacientes para uma clínica, porque não há dinheiro para pagar o tratamento e medicamentos; a contribuição econômica que damos a cada família é muitas vezes usada para pagar as dívidas feitas com outras famílias. A incerteza em muitas casas também pode ser lida nos rostos daqueles que vivem lá.

Infelizmente Ebola deixa alguns sinais e transtornos diferentes em pessoas que conseguiram superar o vírus: crises de dor de cabeça, zumbido nos ouvidos, problemas de visão, perda de equilíbrio, a pele está cheia de pequenas pústulas como as de sarampo, muito dolorosas e coceiras. O sofrimento parece continuar a acompanhá-los. Esperamos que haja mais estudos para aprender mais sobre esta doença e que os sobreviventes são capazes de superar essas dificuldades também, e retornar às suas atividades diárias sem ser oprimidos pelo desânimo.

Nossa e sua gratidão pode chegar as vossas famílias como uma bênção. A “vida” que você está dando, é força também dentro de você e você pode ter certeza, muitas das alegrias que você está sentindo, são também o resultado da memória que essas pessoas têm para cada um de vocês. Deus vos abençoe.

 

                     [MZ]

Algumas das crianças ajudadas pelos missionários Josefinos:

Orphans 059 Orphans 053 Orphans 036 Orphans 035 Orphans 032 Orphans 027 Orphans 018 Orphans 012 Orphans 006 Orphans 003

Sacerdotes Josefinos por 50 anos

Se encontraram em Roma, na Casa Geral após 50 anos de sua ordenação sacerdotal nos dias 03-10 maio: Luigi Carletti, Guglielmo Cestonaro, Cesare Cotemme, Roberto Cogato, Bruno Barbieri, Giovanni Oberto, Angelo Dall’Alba, Gino Montagna e Orides Ballardin. Eles viveram uma semana intensa em reflexão e oração em Santa Maria ad Rupes, em Viterbo, nos passos de Murialdo em Turim, onde tambén visitaram o Santo Sudário, terminando em Montecchio Maggiore, depois de uma passagem por Sotto il Monte, onde puderam saudar o Cardeal Loris Capovilla, secretário de S. João XXIII. Quarta-feira participaram da audiência geral do Papa Francisco.

Recordações dos confrades conhecidos, historias do tempo de formação, experiências que marcaram suas vidas como sacerdotes Josefinos, preecheram o tempo de encontro e o tempo de viagem na van, porque depois de 50 anos, e depois de tanto tempo desde que se tinham visto, houveram muitas coisas a se dizer. Antes de tudo agradecem ao Senhor, à Congregação e àqueles que conheceram, um agradecimento expresso sobretudo na celebração na capela da fundação em Turim Artigianelli, em que o padre Geral deu-lhes um texto intitulado: Sacerdotes do Concílio. Uma lembrança e um desejo: eles se tornaram sacerdotes durante o Concílio Vaticano II, viveram tempos de mudança dentro e fora da Igreja, mas todos disseram que permanecem Josefinos em palavra e obras. Para hoje e para amanhã.

 

 

[TL]

NOd NOf NOg NOc NOb NOa

São José e a arte de proteger

O terceiro Simpósio Nacional sobre São José, organizado por algumas famílias religiosas que o têm como patrono, incluindo o Josefinos de Murialdo, foi realizado em Asti e Turim nos dias 01 e 02 de maio de 2015. No dia primeiro de maio os participantes se reuniram em Asti no período da tarde. Depois dos cumprimentos habituais (incluindo o de p. Geral, Mario Aldegani), Dr. Andrea Tornielli, correspondente no Vaticano do jornal “La Stampa” falou de “São José guardião do Redentor nos ensina a ‘guardar’ hoje”, uma tarefa cada vez mais delicada. Mais tarde, juntamente com o seu colega Enrico Lenzi de “Avvenire, ele entrevistou o Padre Tarcisio Stramare, dos Oblatos de São José, o teólogo que ajudou São João Paulo II para preparar a Exortação Apostólica sobre São José Guardião do Redentor.

Finalmente padre Gianfranco Verri, Josefino de Murialdo, delineou seus quadros colocados no santuário Josefino da cidade. A concelebração solene, presidida pelo Cardeal Lajolo, e o jantar concluiu o dia. Participaram do evento cerca de trezentas pessoas.

No dia seguinte, em Turim, o padre salesiano Andrea Bozzolo, decano da secção de Turim da Universidade Pontifícia Salesiana, falou de São José como exemplo e patrono para as famílias, em particular, como um modelo para os pais do nosso tempo. Irmã Cristina Gavazzi, superiora provincial das Irmãs de São José de Chambéry, o apresentou como um modelo e exemplo para as pessoas consagradas, com o seu “sim”, fundado na fidelidade de Deus e seu cuidar do outro com ternura.

Estes dois relatórios foram retomados e atualizados na mesa redonda, onde se confrontaram Irmã Orsola Bertolotto, Madre Geral das Irmãs Murialdinas, o Sr. Roberto Fioretti, do “Piccolo Disegno” das Irmãs de São José e o Irmão Lino da Campo, dos Irmãos da Sagrada Família.

A homenagem ao padre Stramare de uma obra de padre Verri, também no logotipo do Simpósio, concluiu os trabalhos. Após o almoço oferecido no Colégio Artigianelli, aqueles que quisessem foram para a catedral para visitar o Sudário de Turim.

 

sg 3 sg2 sg1 sg 5 sg 4 sg 6 sg 7 sg 8

(Para as primeiras três fotos agradecemos à Gazzetta dAsti, e para as demais à Federação Italiana das Irmãs de São José)

[EB]

Um memorável dia de Pentecostes na Índia

O dia de Pentecostes deste ano entregou um presente especial do Espírito Santo para la Índia josefina: o dom inestimável de cinco irmãos que fizeram a sua consagração perpétua a Deus: Baisil, Eugine, Michael, Norbert e Rajesh.

Três deles (Baisil, Michael e Rajesh) também foram ordenados diáconos no dia seguinte, na antiga basílica – catedral “Santa Cruz” de Fort Cochin, juntamente com 11 outros jovens diocesanos e de outras congregações.

São celebrações onde você vê grandes multidões, reluzentes olhos (especialmente nos pais), abraços intensas, cores em todos os lugares, oferendas simbólicas, músicas… que inspiram!

Naqueles dias, também foi anunciado o novo conselho da Delegação indiana, presidido por p. Mariolino e com os três conselheiros: P. Misihadas, P. Milttan e P. Anuraj.

P. Mariolino, durante sua homilia, recordou que ouvir um jovem dizer que ele dedica sua vida a Deus “para sempre” nos faz sentir cada vez como um arrepio na espinha. Ele acrescentou que a verdadeira razão para a alegria não é tanto o crescimento numérico significativo dos Josefinos na Índia, que muitos falam, mas o fato de saber que, mesmo em 2015 ainda há jovens generosos que têm a coragem de dizer sim a Deus toda a vida, dando as suas forças para o bem dos muitos meninos pobres e abandonados nos passos de Murialdo.

[MP]

PD13 PD14 PD12 PD11 PD10 PD9 PD8 PD7 PD6 PD5 PD4 PD3 PD2 PD1

 

 

Celebrações sacerdotais estão acontecendo na Índia!

Vaddy é uma vila piscatória muito agradável na costa de Kerala, perto de Kollam, com vista para o azul do Oceano Índico! Quase todos aqui são cristãos e é nesse ambiente simples e cheio de fé que a vocação de Shibu floresceu tantos anos atrás!

Depois de tantos anos de preparação no Aroor, Chembaraky e Chennai o grande dia chegou: o nosso filho é um sacerdote Josefino para a Igreja de Deus!“, dissem com lágrimas nos olhos Mamãe Anila e Papai Augustine! Eles são lágrimas especiais, que têm um significado único nos rostos dos pais de um sacerdote: uma mistura de alegria, orgulho e fé!

E havia também os mesmos sentimentos na grande igreja, festivamente decorada e com muitos sacerdotes, Irmãs, estudantes Josefinos, parentes, amigos, e entre eles muitos jovens, que viveram uma intensa celebração, presidida pelo Bispo de Quilon, Dom Stanley Roman, com a ordenação do décimo sexto sacerdote indiano Josefino! Era sábado, 23 de maio, 2015, e no domingo seguinte P. Shibu celebrou, sempre em sua paróquia, a Primeira Missa.

Mais uma vez temos tyo dizer graças a Deus! Obrigado, o generosa India! E ter uma viagem agradável, P. Shibu!

[MP]

 

OS 3 OS 2 OS 1 OS 4 OS 5 OS 6 OS 7 OS 8 OS 9 OS 10

 

Novo portal

Neste vídeo, o Padre Geral dos Josefinos, p. Mario Aldegani, apresenta o novo portal da Família de Murialdo.

É o sinal do desejo de encontrar um lugar de encontro e comunhão para todos os membros da FdM, e de atenção constante às novas mídias, com a possibilidade de que eles oferecem para difundir o Evangelho e o carisma de Murialdo.

Esta versão substitui o portal anterior www.murialdo.org e o site www.giuseppini.org. Está renovada em la gráfica, embora ainda seja incompleta: a migração do conteúdo anterior será neste próximo período, bem como a introdução gradual de versões em espanhol, português e inglês.

Certifique-se de enviar suas contribuições e notícias para tornar o site cada vez mais rico e vivo. Obrigado! Sempre escreva para news@murialdo.org

[AA]